Alma nua

É preciso desnudar-se,
é como imaginar o fim da censura,
imaginar o óbvio,
escrever o inesperado,
chegar as massas
sonhar o erudito
e materializar o brega.

Faz-se oportuno
para crescer livre e aberto
na (im) previsibilidade
do artificial, do natural homem.

É hora de romper
com a castidade do rancor
impregnado na pesada
sintonia do nativo aborígine racional
com o seu meio.

Assim,
o desnudamento da alma, apenas dar-se-á
se for possível
acabar na hora certa
a áurea do pudor humano.

Mário Gaudêncio (14/06/2007 – Dia Natalício).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s