Dito, mas não acredito

Há uma tendência natural
de mostrar o homem pobre
como constante presença imoral
e hipocrisia descomunal

Favela, roubo e incerteza,
são cernes contagiadores.
Visto e dito
de perto ou de longe,
representam na prática
cenário de submissão
de uma estrutura social
dicotômica, desigual.

Por muitos, falado.
Por poucos, vivido
e enaltecido a beleza da periferia.
Para muitos, a roupa presente do dia-a-dia.

Mário Gaudêncio (17 de maio de 2007).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s