Garoa

Chuva fina
bate a porta
mina fina
não suporta.

Chuva me liberte
minha casa espera-me
quero crer-te
não deprima-me.

Chuva de frenesi unilateral
As vezes, tu tens
me deixado passando mal.

Sinto-me maltratado,
provocado até o fim…
A sinosite deixou-me estuprado.

Mário Gaudêncio – Morno calor chuvoso (08 jul. 2008).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s